10% dos casos de tuberculose são de pessoas que abandonaram tratamento anterior, diz Ministério da Saúde

0
24

Cerca de 10% das pessoas que foram ao hospital por tuberculose já haviam tido a doença, mas abandonaram o tratamento anterior, mostram dados do Ministério da Saúde. A terapia para a tuberculose é longa para se certificar da eliminação do bacilo de Koch (bactéria causadora da doença). Pacientes precisam tomar medicamentos diários por seis meses — o que poderia explicar a elevada taxa de retratamento por abandono.

Além da maior mortalidade e do retorno dos casos, o abandono ao tratamento traz dois impactos: maiores custos ao sistema de saúde e maior possibilidade de bactérias resistentes, indica Júlio Croda, infectologista, vice-presidente da Rede Brasileira de Pesquisa em Tuberculose e pesquisador da Fiocruz.

Uma das possibilidades para melhorar a adesão à terapia, diz Croda, é o investimento em uma maior cobertura do tratamento supervisionado — quando agentes de saúde se certificam que o paciente está tomando o medicamento.

A ação da ingestão supervisionada, diz o pesquisador, é feita por agentes de saúde no programa Estratégia Saúde da Família no SUS, por exemplo. “Enquanto você não tem um tratamento em menor tempo, esse é o fator que mais tem contribuído para a adesão”, explica Croda.

No geral, o Brasil registrou 69,5 mil casos novos da doença em 2017. Desses, 13.347 são de pessoas que voltaram ao sistema de saúde após deixarem o tratamento ou terem algum insucesso da terapia.

Hoje, o Brasil tem 33,5 casos de tuberculose a cada 100 mil habitantes — número acima da meta preconizada pela Organização de Mundial de Saúde (de 10 casos/100 mil).

Mortes e população carcerária

Em relação às mortes, o país registrou 4.426 óbitos por tuberculose em 2016 — os dados divulgados pelo Ministério da Saúde mostram, no entanto, uma sutil baixa da mortalidade com o passar dos anos: há uma redução média anual de 2% na mortes de 2007 a 2016.

Apesar da diminuição, a pasta considera que a tuberculose ainda é um problema de saúde pública no país; e, por isso, lançou em 2017, o “Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública”. O plano estabeleceu, por exemplo, os testes rápidos para acelerar o diagnóstico da condição e diversas estratégias para chegar à meta de incidência recomendada pela OMS.

O Brasil tem o compromisso de reduzir a mortalidade para menos de 1 óbito por 100 mil habitantes até 2035.

Algumas populações mais vulneráveis também apresentam maior incidência e podem estar contribuindo para uma parcela do número de casos. A população privada de liberdade, por exemplo, responde por 10% dos casos; e, por isso, está sendo alvo de projeto específico lançado na quarta-feira (6) pelo Ministério da Saúde.

O pesquisador explica que a superlotação das prisões facilitam a transmissão — ele estima que a incidência em pessoas privadas de liberdade chega a ser 30 vezes superior que na população em geral. Também há menos diagnósticos e menor quantidade de médicos para a população encarcerada.

“Na prisão brasileira, a taxa de cura média é superior que na comunidade. A questão principal são as condições de encarceramento e a falta de diagnóstico precoce que favorece a uma maior transmissão”, explica.

Retratamentos

Os estados com maior proporção de pessoas que tiveram que voltar a se tratar foram Rio Grande do Sul (23,3%), Rondônia (19,9%) e Paraíba (19,5%) em 2016

Nesse mesmo ano, o percentual de cura de casos novos foi 73%, maior do que se comparado ao ano de 2015 (71.9%). Os estados do Acre (84,2%), São Paulo (81,6%) e Amapá (81,7%) alcançaram os maiores percentuais de cura no mesmo ano.

As capitais com maior número de casos da tuberculose, em 2017, foram Manaus (104,7/100 mil hab.), Rio de Janeiro (88,5 /100 mil hab.) e Recife (85,5/100 mil hab.).

O Ministério da Saúde considera que “a situação da tuberculose nas capitais do país exige atenção, uma vez que 70,4% delas (n=19) apresentaram coeficiente de incidência superior ao registrado no país”, avalia o boletim feito pela Secretária de Vigilância do Ministério da Saúde.

Tuberculose: sintomas e formas de transmissão (Foto: Arte G1)Tuberculose: sintomas e formas de transmissão (Foto: Arte G1)

Avanços e HIV

Após o lançamento do Plano do Fim da Tuberculose, 71,4% dos casos fizeram diagnóstico por confirmação laboratorial em 2017.

No mesmo ano, 73,4% dos casos foram testados para o HIV, diz o Ministério da Saúde.

A testagem para o HIV identificou que 9,2% dos casos novos de tuberculose eram de pessoas que também eram soropositivas para o HIV.

Compartilhar
Sou Blogueira, motivada pelo diagnóstico da Artrite Reumatoide aos 26 anos, como profissional da enfermagem eu estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e de repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, social media, graduanda do curso de jornalismo na FiamFaam, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.