Fibromialgia: a doença que traz sintomas muito além das dores

0
14835

Patologia causa grande impacto na vida dos pacientes, restringindo o contato social, causando conflitos de papéis, perdas e baixa autoestima.

A síndrome fibromiálgica (SFM) caracteriza-se como dor difusa e espontânea nos dois lados do corpo – acima e abaixo da cintura com maior incidência nos pés, perceptíveis por fatores como alterações da qualidade do sono, fadiga, rigidez matinal de curta duração e estresse psicológico em meio a uma ampla constelação de sintomas associados. Estes podem ser desencadeados por uma grande variedade de estressores biológicos ou psicossociais como, infecções, insatisfações pessoais, doenças autoimunes, traumatismos físicos e anormalidades psicológicas que, dentre outros, contribuem para a percepção e o agravamento da dor.

De acordo com o médico e especialista em neurocirurgia funcional, Manoel Jacobsen, a patologia ocorre mais frequentemente nas pessoas do sexo feminino de 35 a 44 anos, mas também atinge muitos atletas. “Um fator agravante da síndrome fibromiálgica é o grande impacto causado na vida das mulheres que ficam restritas o contato social e alienadas aos conflitos de papéis, perdas e à baixa autoestima. Esses fatores só pioram o diagnóstico e o sucesso do tratamento”, ressalta o especialista.

Jacobsen acrescenta que, atualmente, o número de pacientes com fibromialgia ultrapassa a quantidade de doentes com artrite e artrose que já é muito alto no Brasil. A prevalência da SFM na população em geral variam de 1,5% a 4,4% e em até 40% dos doentes avaliados em centros terciários especializados no tratamento da dor.

E como tratar? O tratamento consiste da eliminação dos fatores agravantes – redução do repouso, regularização da glicemia, da função da glândula tireóide, do sono e das anormalidades psicológicas e psiquiátricas – e ainda pode ser realizado com o uso de antidepressivos duais ou tricíclicos, miorrelaxantes de ação central, alguns anticonvulsivantes de síntese recente, agonistas da dopamina, analgésicos simples e procedimentos de medicina física, reabilitação e psicoterapia.

Exercícios para fortalecimento muscular ou treinamento de força ou musculação assim como para condicionamento cardiorrespiratório ou treinamento de aerobiose podem ajudar. Corrida, ciclismo, indoor ou outdoor e esportes de endurance em geral, desde que feitos em intensidade moderada são alternativas. Em casos menos intensos da síndrome a hidroginástica pode ajudar a amenizar as dores. Técnicas de alongamento e relaxamento para prevenir espasmos musculares., reeducação alimentar e restrição de carboidratos e mudança de hábitos nutricionais e diários para melhorar a qualidade de vida e reduzir o estresse são outas opções.

O especialista ainda alerta que “como em qualquer condição de saúde, a adesão ao tratamento é essencial e que menos de 50% dos doentes com dor crônica fazem adesão aos programas terapêuticos destinados ao tratamento, especialmente aos relacionados à medicina física e reabilitação”.

Fonte: Segs

Compartilhar
Aprendiz de Blogueira, moderadora do Grupo EncontrAR e Blog Artrite Reumatoide, CDC na Web, auxiliar técnica em informática, inspirada em poesia e arte, escritora, dedico grande parte do meu tempo útil em auxilio e direitos dos paciente, sou paciente de Artrite reumatoide há 6 anos, moro em Florianópolis.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta